O Campo de Libra e as Mudanças Climáticas

A área de Libra, licitada nesta segunda-feira, é uma das maiores descobertas do pré-sal. O país comemora o fato em vista das divisas a serem geradas e dos investimentos em saúde e educação que elas possibilitarão. Mas, é pertinente refletir sobre as implicações da exploração desse recurso energético, sobre as mudanças climáticas.

No Campo de Libra, devem ser produzidos entre 8 e 12 bilhões de barris de petróleo nos próximos 35 anos. Além do óleo, um volume estimado em 120 bilhões de metros cúbicos de gás natural deverá ser produzido na vigência do contrato, com parte desse volume sendo re-injetado, parte sendo consumido na geração de energia da plataforma e o restante sendo ofertado ao mercado. (Fonte: http://www.brasil.gov.br/governo/2013/10/nota-sobre-o-pre-sal-e-o-campo-de-libra)

Portanto, qual a relação entre o Campo de Libra e as mudanças climáticas? Considerando esses números, o petróleo e gás extraídos de Libra corresponderão a emissões da ordem de 5,9 bilhões de toneladas de dióxido de carbono. O que isso significa? Vejamos um número trazido pelo recém publicado Quinto Relatório de Avaliação (AR5) do IPCC: Em 2011 já havíamos (nós = humanidade) consumido cerca de metade do nosso “orçamento” máximo de emissões de gases de efeito estufa (cerca de 1.000 bilhões de toneladas de CO2 equivalente), para limitar o aquecimento do clima do planeta em 2oC. Assim, do orçamento que nos resta, o petróleo e gás do Campo de Libra consumirão 1.2%.   (Veja resumo do AR5, em inglês, em: www.cpsl.cam.ac.uk/ipcc)

O otimismo ocasionado pelo resultado do leilão do Campo de Libra, em contraste com suas implicações de ordem planetária, torna evidente a grande dimensão do desafio de harmonizar o desenvolvimento e a mitigação das mudanças climáticas.

Comentários

comentários

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
rss

Deixe uma resposta