Inventário de GEE: obrigatório para CETESB

Em dois estados do Brasil, São Paulo e Rio de Janeiro, a produção de inventários corporativos de gases de efeito estufa já é obrigatória para empresas de determinados setores. E essa é uma tendência crescente para o resto do país. Em São Paulo, desde 2012, os inventários de gases de efeito estufa de alguns empreendimentos devem ser reportados para a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Continue lendo o post e saiba mais  detalhes sobre essa regulação.

Quer saber mais sobre a regulamentação dos inventários de GEE e as políticas de mudanças climáticas em outros estados? Clique aqui.

Inventários de GEE: instrumento de gestão

O inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) é um instrumento indispensável para a gestão ambiental. A partir da sua realização, são mapeadas as fontes de emissão de GEE das empresas e a quantidade de gases liberada para a atmosfera. Para além disso, em relação aos ganhos corporativos advindos da produção dos inventários, há a possibilidade das empresas diminuírem custos em seus processos produtivos (já que qualquer emissão está associada ao consumo de um recurso, como combustível e eletricidade); desenvolverem oportunidades de negócio e ganhos de imagem institucional; poderem se credenciar em programas financeiros e de reporte de emissões; obterem benefícios e reduzirem riscos regulatórios.

Reporte para a CETESB

Em São Paulo, desde 2012, determinados empreendimentos do estado são obrigados a enviarem seus inventários de GEE para a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), de acordo com a D.D. 254/2012/V/I. Neste ano, o prazo para envio do documento é de 1º de setembro a 31 de outubro.

Veja abaixo uma lista com as atividades contempladas pela diretriz, que torna obrigatória a apresentação de inventários pelas empresas de SP ao CETESB:

I. Produção de alumínio;

II. Produção de cimento;

III. Coqueria;

IV. Instalações de sinterização de minerais metálicos;

V. Instalações de produção de ferro gusa ou aço com capacidade superior a 22.000 t/ano;

VI. Fundições de metais ferrosos com capacidade de produção superior a 7.500t/ano;

VII. Instalações de produção de vidro, incluindo as destinadas à produção de fibras de vidro, com capacidade de produção superior a 7.500 t/ano;

VIII. Indústria petroquímica;

IX. Refinarias de petróleo;

X. Produção de amônia;

XI. Produção de ácido adípico;

XII. Produção de negro de fumo;

XIII. Produção de etileno;

XIV. Produção de carbeto de silício;

XV. Produção de carbeto de cálcio;

XVI. Produção de soda cáustica;

XVII. Produção de metanol;

XVIII. Produção de dicloroetano (EDC);

XIX. Produção de cloreto de vinila (VCM);

XX. Produção de óxido de etileno;

XXI. Produção de acrilonitrila;

XXII. Produção de ácido fosfórico;

XXIII. Produção de ácido nítrico;

XXIV. Termelétricas movidas a combustíveis fósseis;

XXV. Indústria de papel e celulose com utilização de fornos de cal;

XXVI. Produção de cal;

XXVII. Outras instalações com consumo de combustível fóssil que emitam quantidade superior a 20.000 t/ano de CO2equivalente;

XXVIII. Instalações que emitam os gases HFCs, PFCs, SF6 em quantidade superior a 20.000 t/ano de CO2 equivalente;

XXIX. Outras que a CETESB julgar relevantes.

As atividades da sua empresa se encontram entre as mencionadas acima? Podemos auxiliá-lo! Basta entrar em contato com nosso consultor Rafael Carmo (rcarmo@waycarbon.com).

mudanças climáticas

Comentários

comentários

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
rss