Tecnologia sustentável: novo modelo de desenvolvimento

A cada dia, novos produtos e serviços são pensados, desenvolvidos e ofertados.  Se, por um lado, o ritmo de produção e do consumo muitas vezes provoca uma exploração excessiva dos recursos naturais, sabemos que, por outro, há opções de tecnologias sustentáveis capazes de oferecer benefícios à sociedade e ao meio ambiente, alterando profundamente os processos de fabricação e a maneira como consumimos.

Leia também o post Como promover inovação com foco na sustentabilidade.

Nesse contexto, a evolução tecnológica  pode ser uma grande aliada da sustentabilidade, colaborando com o combate ao desperdício, a melhoria na qualidade dos transportes, da saúde, a criação de produtos mais duráveis, a reciclagem e o monitoramento de atividades ilegais, por exemplo.

Podemos contar com novos produtos e serviços capazes de trazer esses benefícios. Vamos saber mais sobre eles? Conheça algumas tendências em tecnologia sustentável que prometem contribuir para a solidificação de um novo modelo de desenvolvimento:

Carros elétricos

Tecnologia sustentável

Ao ouvirmos tanto sobre o aquecimento global e suas possíveis consequências, a necessidade de reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera também se tornou um assunto recorrente. O setor de transportes, um dos maiores responsáveis pelas emissões no mundo, gera, no Brasil, 13,8% das emissões de GEE.

Nesse cenário, o carro elétrico se torna uma alternativa de tecnologia sustentável cada vez mais atraente. Hoje, há opções de carros elétricos, com motores que utilizam baterias como fonte de energia, e de carros híbridos, em que podem ser usados baterias ou motores que funcionam a partir de combustíveis.

Nos carros elétricos não há queima de gasolina ou diesel, o que contribui para a redução significativa das emissões de GEE. Além da contribuição para o meio ambiente, os carros elétricos podem trazer ainda outros benefícios:

  • Economia: Devido ao uso de eletricidade e um desgaste mecânico menor, os custos de manutenção dos veículos são reduzidos. Além disso, os seus motores apresentam mais de 90% de eficiência.

  • Conforto: Os motores dos veículos são mais silenciosos, contribuindo para a redução da poluição sonora.

 

A desvantagem desse produto, porém, está relacionada à sua baixa autonomia: a quantidade de energia que ele pode armazenar  não é suficiente para manter o veículo em movimento durante longos percursos.

Embora essa nova tecnologia ainda precise ser aperfeiçoada, há marcas que pretendem apostar na sua produção, como  a Volvo. A fabricante sueca, que agora está nas mãos da Zhejiang Geely Holding, da China, anunciou em 2017 que, a partir de 2019, todos os seus modelos de carros terão motores elétricos. A proposta é reduzir a pegada de carbono da marca e melhorar a qualidade do ar nas cidades por meio da produção de carros inteiramente elétricos e híbridos.

Em alguns países, medidas que apostam nos carros elétricos também foram tomadas. Em 2017, a França anunciou o fim da comercialização de carros movidos a diesel ou gasolina a partir de 2040, e o Reino Unido também optou por seguir esse caminho. O objetivo do país é retirar os veículos não elétricos de circulação. Vamos aguardar!

Geração distribuída

Desde 2012, é permitido no Brasil que os cidadãos gerem a sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis e, caso haja excedente na produção, forneçam energia para a rede de distribuição de sua localidade (Resolução Normativa da ANEEL nº 482/2012). Isso é o que chamamos de geração distribuída.

Essa modalidade de geração de energia pode proporcionar diversos benefícios ao sistema elétrico, como:

Redução dos impactos ambientais

Fontes renováveis, como a solar e a eólica, são comumente utilizadas na geração distribuída. Assim, o sistema energético se torna mais limpo, colaborando para a redução das emissões de GEE.

Minimização de perdas

A energia produzida é consumida localmente e pode ser compartilhada pelos consumidores que a produzem e pelas distribuidoras. Além disso, as linhas de transmissão ficam menos sobrecarregadas, reduzindo a perda de energia.

Diversificação da matriz energética

Diferentes fontes podem gerar energia em períodos do dia, do ano e em climas diferentes. Assim, diversificar a matriz energética é uma forma de aumentar a segurança, garantindo que a energia seja produzida em diversos períodos e condições.

Redução de custos

Além de reduzir gastos ao produzir a própria energia, quando a quantidade produzida for superior à energia consumida no período, o consumidor pode obter alguns benefícios.

Conforme dissemos acima, no Brasil, é possível obter créditos que serão abatidos na fatura dos meses seguintes. Dessa forma, a geração distribuída é uma inovação que pode aliar economia financeira, autossustentabilidade e consciência socioambiental, trazendo benefícios não só aos consumidores que optam por utilizá-la, mas também ao sistema elétrico.

 

Tecnologias que favorecem a economia compartilhada

A economia compartilhada é um modelo econômico em que pessoas podem emprestar ou alugar bens e prestar serviços entre si. Isso significa que uma pessoa pode alugar o seu carro quando não estiver o utilizando, o que também pode acontecer com outros objetos, como casas, bicicletas e roupas.

Embora mercados de aluguel já existam há algum tempo, a internet facilitou o encontro entre as pessoas que precisam de algo por um período determinado e as que possuem esses objetos para alugar ou emprestar. Cada vez mais, encontramos aplicativos para celular, sites e redes sociais capazes de promover esse contato, colocando disponíveis produtos que podem ser trocados, emprestados ou alugados.

Há diversas iniciativas que seguem essa lógica, como o Airbnb, que conecta viajantes a pessoas dispostas a alugar espaços diversos durante períodos variados e o Getaround, que permite o uso compartilhado de carros por meio da empresa, que fica responsável por alugar um veículo enquanto seu dono não o estiver usando.

Mas como esse modelo econômico pode ser sustentável? Além de movimentar o mercado, as formas de compartilhamento podem reduzir significativamente a compra de produtos específicos. O mercado de compartilhamento de carros, por exemplo, pode colaborar para a redução da compra de veículos e das emissões de CO2 na atmosfera.

 

Blockchain

O blockchain é uma nova tecnologia em que blocos de dados são encadeados com o intuito de rastrear informações, oferecendo transações seguras. Isso acontece porque, no início do processo, os computadores envolvidos recebem cópias que comprovam aquela transação. Cada novo bloco de informação processado, antes de ser anexado à cadeia, é validado por todos esses computadores, que, de forma coordenada, conferem os dados entre si.

Essa tecnologia pode funcionar como um sistema de rastreamento, capaz de comprovar a origem de produtos, indicando problemas de segurança e ilegalidades, como pirataria e fraudes. Também pode ser uma base de dados capaz de monitorar a eletricidade limpa gerada por painéis solares e emitir certificados à medida que determinados valores de produção são alcançados. Tudo automaticamente.

Embora essa tecnologia seja nova e ainda pouco compreendida, ela pode ser uma grande possibilidade para evitar fraudes e garantir processos sustentáveis, com a rastreabilidade em cadeias de valor.

Internet das coisas

Internet das coisasA expressão Internet das coisas (IoT) é uma tradução de Internet of Things. O termo, criado nos anos 90, foi evoluindo à medida que a internet sem fio passou a ser mais presente na vida das pessoas, e descreve um fenômeno que vivemos hoje: cada vez mais objetos estão conectados à internet e se comunicam mutuamente. Isso acontece por meio de softwares e sensores que transmitem dados para uma rede.

A IoT pode levar mais eficiência para a indústria, contribuindo para a construção do que chamamos de Indústria 4.0. Esse conceito de indústria considera as principais inovações tecnológicas como parte dos processos de produção industrial, que podem se tornar cada vez mais eficientes e autônomos.

Por exemplo, é possível interligar e configurar máquinas para que sinais de perda de produtividade ou falhas operacionais sejam percebidos de forma antecipada. Isso pode trazer otimização de processos, aumento na produtividade e eliminação de falhas. Assim, podemos produzir mais com menos recursos.

 

Tecnologia sustentável: uma oportunidade

Embora a exploração de recursos naturais para a produção de aparelhos tecnológicos muitas vezes não aconteça de forma sustentável, há diversas oportunidades para usarmos a tecnologia a nosso favor. Como vimos, há diversas inovações tecnológicas que podem colaborar para a implementação de novas formas de produção e construir formas de desenvolvimento sustentável.

Restou alguma dúvida? Lembrou de alguma outra tecnologia que não mencionamos? Comente abaixo ou envie um e-mail para comunicação@waycarbon.com. Será um prazer te responder!

Comentários

comentários

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
rss