Mudança do Clima e Saúde: entenda os impactos diretos - WayCarbon

Mudança do Clima e Saúde: entenda os impactos diretos

mudança do clima e saúde

As questões de saúde são multifatoriais, podendo envolver genética, hábitos, alimentação, entre outros aspectos. E o clima também é um dos fatores que influenciam a saúde humana. Em épocas mais frias, ou a partir de mudanças bruscas de temperatura, estamos mais sujeitos a gripes e resfriados, por exemplo. Entretanto, a Mudança do Clima pode ter consequências muito mais severas do que esses exemplos.

Muito se fala dos impactos das mudanças climáticas sobre o meio ambiente, nas áreas econômica e social. Entretanto, nem sempre nos damos conta que todas essas esferas estão intimamente interligadas e podem implicar em danos à saúde humana.

Segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), as mudanças do clima tendem a potencializar problemas de saúde preexistentes. Por exemplo, nas regiões onde há doenças transmitidas por vetores sensíveis ao clima, pode haver aumento de frequência ou intensidade dessas doenças.

Além disso, num contexto de mudança climática, as populações serão afetadas de forma desigual. Os grupos mais vulneráveis, tradicionalmente de países em desenvolvimento, mais pobres e com menor nível de infraestrutura, são aqueles que precisarão de maior apoio e atenção. Vulnerabilidade engloba conceitos como a sensibilidade ou suscetibilidade a danos e pouca capacidade de adaptação. Além dos exemplos já citados, os grupos vulneráveis também se relacionam com faixas etárias mais susceptíveis a doenças em geral (crianças e idosos) e também com questões de gênero.

Os principais efeitos: mudança do clima e saúde

A mudança do clima pode afetar a saúde humana por meio de 3 mecanismos principais:

  1. Efeitos diretos, em que a saúde humana é afetada em decorrência de ondas de calor, secas, inundações, enchentes e tempestades, podendo impactar as pessoas por meio do stress térmico ou mesmo causando traumas físicos e psicológicos;
  2. Efeitos indiretos, cujos impactos da mudança do clima no meio ambiente alteram a qualidade da água, a qualidade do ar, a produção de alimentos e a ecologia de vetores que agem na transmissão de doenças;
  3. Efeitos socioeconômicos, em que rupturas sociais, demográficas e culturais desencadeiam a migração de grupos que dependem de recursos naturais, então escassos, reforçando também conflitos ligados às condições climáticas, como secas prolongadas.

Infelizmente, esses efeitos já podem ser sentidos em diversos lugares. Segundo o Relatório Especial em Clima e Saúde da COP24, numa escala global, houve um aumento de 125 milhões de pessoas vulneráveis expostas a ondas de calor entre 2000 e 2016. Em 2010, só no Paquistão 15 milhões de pessoas foram afetadas por inundações. No Brasil, no início de 2020, tivemos precipitações em grandes níveis, resultando em pessoas desabrigadas, desalojadas e até mortas.

Os impactos

Por meio dos efeitos diretos, indiretos e socioeconômicos da mudança do clima sobre a saúde, temos como consequência diversos impactos. Exemplos desses impactos são desnutrição (causada principalmente pela redução na oferta de alimentos na agricultura e pesca, além de problemas com doenças como diarreia), problemas cardiovasculares (associados principalmente a ondas de calor, podendo causar redução na capacidade de trabalho ou até mesmo óbitos), problemas respiratórios (por meio das mudanças na qualidade do ar) e na ecologia de vetores (pelas alterações de qualidade da água e também nas transformações de ecossistemas), além dos impactos na saúde mental (principalmente por exposição aos eventos extremos).

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a expectativa é que os custos anuais dos impactos da mudança do clima sobre a saúde sejam da ordem de 2 a 4 bilhões de dólares, entre 2020 e 2030. Além disso, essa problemática pode levar a aproximadamente 250.000 mortes adicionais por ano, entre 2030 e 2050 (38 mil por stress térmico, 48 mil por diarreia, 60 mil por malária, 95 mil por desnutrição).

Segundo o Relatório especial do IPCC lançado em outubro de 2018, os impactos da mudança do clima na saúde humana podem ser cada vez mais intensos de acordo com os cenários de aquecimento global:

  1. Cenário de 1.5ºC: expectativa de 150 milhões de pessoas a menos em risco de malária, quando comparado com aquecimento de 2 a 3°C. Entretanto, mortes relacionadas ao ozônio aumentam de 382 mil (em 2000) para 1,7 milhões (até 2100);
  2. Cenário de 2ºC: possível perdas de 213 milhões de toneladas de arroz, milho e trigo, além de 8% da população mundial podendo enfrentar severa escassez de água;
  3. Cenário de 3ºC: até 43% das geleiras na Ásia, que fornecem água para 800 milhões de pessoas, podem ser perdidas. Enquanto as ondas de calor na África podem aumentar em cinco vezes até meados do século.

No Brasil

No Brasil, as projeções indicam atenção a dois principais impactos: ecologia de vetores e saúde respiratória. No que diz respeito a ecologia de vetores, foi identificado que a capacidade de transmissão (conjunto de características fisiológicas e comportamentais que associadas às condições ambientais favorecem a transmissão de doenças) do mosquito Aedes aegypti (transmissor da dengue, zika e chikungunya) aumentou 5,4% entre 1950 e 2019. Ou seja, alterações em variáveis como precipitação, temperatura e grau de urbanização podem aumentar a área ou período de atividade do mosquito.

Enquanto isso, a poluição do ar e a mudança do clima foram classificadas com uma das maiores ameaças à saúde global pela OMS em 2019. Isso se dá porque a principal causa da poluição do ar (queima de combustíveis fósseis) também é um dos principais contribuintes para a mudança climática. No Brasil, a poluição do ar é uma das principais causas de mortalidade prematura, resultando em quase 24.000 mortes prematuras em 2016. A mudança do clima também impacta na maior incidência de alergias respiratórias e crises de asma a partir da liberação de aeroalérgenos, tais como pólen.

Plus: saúde mental

A mudança do clima também pode ter sérios impactos na saúde mental. Eventos extremos ou perdas por desastres têm sido associados a níveis elevados de ansiedade, depressão e transtornos pós-traumáticos, além de comportamentos agressivos e consumo de álcool.

E, mais recentemente, os psicólogos têm falado da Eco-ansiedade, descrita como distúrbio psicológico que afeta um número crescente de indivíduos que se preocupam com a crise ambiental”. Em geral, os millenials e seus familiares são os mais afetados, apresentando sintomas de ansiedade, depressão e síndrome do pânico.

COVID-19

E em tempos de isolamento social e quarentena, não podemos deixar de falar da COVID-19. Apesar da redução de emissões e recuperação de sistemas naturais, ainda é preciso avaliar os impactos deste contexto sobre o clima. A pandemia mostrou como estamos despreparados para alguns dos maiores riscos que enfrentaremos. Medidas emergenciais por parte dos tomadores de decisão foram implementadas para combater o avanço do vírus. Entretanto, não podemos perder a atenção nos problemas a longo prazo, como a mudança do clima.

Apesar de todos os males, o coronavírus nos deixa algumas lições e aprendizados. A primeira é que a prevenção é melhor que a cura. Logo, faz sentido criar resiliência contra a mudança climática agora.

Além disso, precisamos refletir sobre as doenças infecciosas que são provenientes da vida selvagem. Onde chegaremos com a combinação de mudança climática e destruição de habitats naturais?

E, finalmente, temos oportunidades para transformações no comportamento e na economia. Não é tempo de voltar ao antigo normal, mas sim pensar em transição para energias renováveis, cidades e infraestruturas sustentáveis e afins.

A WayCarbon

A WayCarbon, por meio de seus serviços e soluções para economia de baixo carbono, colabora para que os impactos da mudança do clima sobre a saúde sejam reduzidos. Quando falamos de Mitigação de Gases de Efeito Estufa (GEE), consideramos seus co-benefícios. Ou seja, ao reduzir as emissões de GEE, há também um resultado positivo no que diz respeito à saúde. Por exemplo, um estudo feito na Europa indicou que 138.000 mortes prematuras podem ser evitadas no continente, caso os países cumpram, até 2030, com suas reduções de emissão assinadas no Acordo de Paris.

Essa mesma redução na poluição pouparia custos de tratamento na ordem de US$ 34 bilhões. Os segmentos empresariais que têm maior potencial de co-beneficios são energia (produção por fontes renováveis) e transporte (eletrificação de veículos, além de transporte ativo e em massa).

A WayCarbon desenvolve também uma serie de projetos voltados para a adaptação, considerando o risco climático do setor público e também no setor privado. Nesse sentido, o MOVEModel for Vulnerability Evaluation é uma ferramenta para análise de vulnerabilidade e adaptação. Dessa forma, a WayCarbon está pronta para apoiar cidades, regiões ou companhias no enfrentamento à Mudança do Clima, considerando os co-benefícios trazidos para a saúde nessa luta!

Compartilhe esse conteúdo

Tags

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.